A importância da convicção da veracidade e do domínio dos fatos para tomada de decisão, com segurança e fundamentação, foram a base do curso “Técnicas de entrevista, interrogatório e detecção de mentiras da administração pública”, promovido pela Controladoria-Geral da União (CGU), no período de 20 a 22 de novembro. A programação, realizada em Brasília (DF), contou com a participação de Glauce Silva e Shirley Cristina, gestoras governamentais que integram a Diretoria de Correição (DCOR) da Secretaria da Controladoria-Geral do Estado (SCGE).

Durante os três dias de curso, as servidoras tiveram acesso a métodos de como produzir informação e enxergar o que corresponde ou não à verdade dos fatos. Também no plano de aula, viram como analisar tecnicamente a veracidade do discurso produzido em uma entrevista; como libertar-se do mito dos sinais corporais e da dinâmica ocular da Programação Neurolinguística; e que sinais corporais são apenas bons qualificadores do discurso, mas não sustentam real convicção sobre a veracidade de um relato.

A partir do desenvolvimento vivencial do curso, a proposta da CGU foi capacitar os participantes com técnicas e táticas de imediata instrumentalização e eficácia em suas atividades de condução de um processo administrativo disciplinar, de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), de um inquérito policial ou de uma audiência judicial.

Com conteúdo teórico, dinâmicas de grupo e simulações, o curso foi ministrado por Thompson Cardoso, palestrante com mais de 30 anos de experiência na área de segurança e inteligência, já tendo realizado mais de 150 capacitações relacionadas às temáticas. O evento foi direcionado para servidores de comissões de Processo Administrativo Disciplinar (PAD), assessores jurídicos, procuradores, gestores de recursos humanos, corregedores, ouvidores, auditores, promotores, profissionais da área do direito e demais profissionais que precisam de ferramentas e técnicas de entrevista.

Compartilhe: