Representando o Banco Mundial e o Conselho Nacional de Controle Interno (Conaci), auditores da Controladoria-Geral do Estado da Paraíba (CGE-PB) estão em Pernambuco para fazer a análise presencial dos procedimentos de implantação do Modelo de Capacidade de Auditoria Interna (IA-CM) na Secretaria da Controladoria-Geral do Estado (SCGE).

Rodolfo Serrano e Gilson Peixoto, respectivamente, gerente-executivo de Auditoria e gerente operacional de Auditoria da CGE-PB, atuarão junto à SCGE como “avaliadores externos” até esta quinta-feira, dia 05, com o objetivo de avaliar as evidências documentais elaboradas pelos setores da Controladoria pernambucana. O relatório final desse trabalho será encaminhado por eles para o Banco Mundial, o Conaci e a própria SCGE, até o dia 30 de março.

Dentro da programação na SCGE, os auditores foram recebidos pela secretária Érika Lacet, na tarde da última segunda-feira, dia 02. Também participaram da reunião, Flávio Pereira, Daniel Penaforte e Hugo Santiago, respectivamente, diretor de Auditoria (DAUD), diretor de Planejamento e Gestão (DPGE) e assessor especial de Controle Interno da SCGE. Na ocasião, a secretária destacou que a implantação do IA-CM é uma iniciativa que deverá aprimorar ainda mais o trabalho da Controladoria. Ela enfatizou, ainda, que o processo de adesão ao IA-CM, que segue princípios, práticas e processos aplicados internacionalmente, teve início em 2019.

“Os primeiros passos para a implantação do modelo IA-CM na SCGE foram dados em agosto do ano passado, com a capacitação de servidores no estudo da metodologia. Já em setembro, foram definidas as metas e formada a equipe para desenvolver as atividades. E, em outubro, por meio de portaria publicada no Diário Oficial do Estado, foi instituído o grupo de trabalho responsável pela autoavaliação da Controladoria”, explicou.

Idealizado pelo Institute of Internal Auditors (Global) – IIA, o IA-CM estabelece uma matriz de macroprocessos-chave necessários para uma auditoria interna eficaz no setor público, que ilustra os níveis e estágios por meio do qual uma atividade de auditoria interna pode evoluir e melhorar os seus processos e práticas ao longo do tempo. A estrutura do projeto consiste em cinco níveis de capacidade (maturidade), subdivididos em seis elementos da atividade de auditoria interna e 41 macroprocessos-chave, chamados de KPAs.

Na SCGE, a meta é chegar ao terceiro nível do IA-CM até dezembro de 2023. “Nesse estágio, já seremos capazes de entregar serviços de auditoria em conformidade com os padrões internacionais de qualidade, gerando ainda mais confiança e credibilidade para a sociedade”, avaliou Érika Lacet.

AUDITORIA – De acordo com o IIA, a auditoria interna é uma atividade independente e objetiva de avaliação e de consultoria, desenhada para adicionar valor e melhorar as operações de uma organização. Ela auxilia uma organização a realizar seus objetivos a partir da aplicação de uma abordagem sistemática e disciplinada para avaliar e melhorar a eficácia dos processos de gerenciamento de riscos, controle e governança.

Compartilhe: